A Rota da Ribeira de Loriga faz a ligação entre as aldeias de Loriga e Vide. O percurso desenvolve-se ao longo de um vale encaixado atravessado pela ribeira de Loriga.
A paisagem é dominada por bosques, matos e campos em socalcos, e veredas antigas. Durante uma grande parte da sua extensão, o percurso faz-se acompanhar por uma das mais extensas redes de levadas da Serra da Estrela. Nos locais mais selvagens e inacessíveis predominam as azinheiras e os azereiros e, entre as plantas, os azevinhos e entre outras relíquias da vegetação natural deste vale.
Em alguns locais da ribeira é possível observar grandes cavidades originadas pela erosão. São as chamadas marmitas de gigante. No Serapitel e no Muro, em meandros apertados, foram abertos canais para desvio da ribeira e aproveitamento dos terrenos drenados. Datadas de há cerca de 200 anos, estas obras, conhecidas como poços de broca, resultaram na formação de imponentes quedas de água.
Este troço tem ligações com a Rota dos Socalcos, da Eira, Ribeira de Alvoco, da Garganta de Loriga, de Piódão.
Embora seja um percurso com mais inclinação negativa, a extensão de quase 17 km e o tipo de piso recomendam uma boa capacidade física e atenção ao caminhar, sobretudo quando  troço é junto às levadas. Em termos de dificuldade é uma rota considerada difícil. Pode fazer-se ao longo de todo o ano, embora com os cuidados que se impõem nas épocas mais frias.

 

ROTA

Início e fim: Largo da Carreira, Loriga | Igreja Matriz, Vide.

Coordenadas: 40.325556, -7.68972340.294559, -7.784335

Épocas aconselhadas: Todo o ano.

 

DOCUMENTAÇÃO

Folheto informativo: aqui.

 

CONTACTOS ÚTEIS

Posto de Turismo de Seia: 238 317 762

GNR (Agp. Montanha): 961 188 070

Bombeiros Municipais de Seia: 238 310 310

16,8Km Distância
Lienar Tipo
5h30m Duração
1282 Descida Acum.
805 Subida Caum.
Difícil Dificuldade

 

NOTA Os caminhos dos percursos e a sinalética dos mesmos estão sujeitos ao desgaste provocado por vários fatores. Por prudência, a iNature recomenda o contacto com as entidades responsáveis pelos percursos para apurar o estado de conservação dos caminhos e da sinalética. Uma caminhada agradável começa na segurança da mesma.